Devaldo Nunes da Fetag-PI demonstra preocupação com supostas alterações na previdência: ‘a conta será paga pelos ‘pobres’

Secretário de Políticas Agrárias junto a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Piauí- FETAG-PI, em visita recente visita à Elesbão Veloso, onde participou de reunião promovida pelo Sindicato Rural abordou sobre temas importantes, os quais interessam diretamente a classe trabalhadora rural.

Em discurso para pelo menos 250 pessoas presentes à assembleia, Devaldo Nunes comentou acerca da polêmica reforma da previdência, defendida pelo governo Michel Temer. Convém lembrar que no momento a  proposta está sendo discutida nas comissões internas e posteriormente deverá ser  encaminhada ao Congresso para apreciação.

Para o dirigente, muito embora o ministro Henrique Meirelles tenha dito que não irá mexer nos direitos dos trabalhadores, a conta será paga pelos ‘pobres’, visto que o país atravessa uma crise econômica. Devaldo ressaltou que os recursos da previdência aquece a maioria dos estados e municípios.

Devaldo Nunes comentou sobre o ‘pente fino’ que vem sendo realizado pelo governo, em princípio voltado à revisão nos benefícios de aposentadoria por invalidez ou auxílio-doença. Ele lembrou que a revisão não pega apenas trabalhadores rurais. “São mais de 1,7 milhão de pessoas em todo país”, lembrou Devaldo, ressaltando que inicialmente estão sendo convocados quem ganha mais. “A previdência está buscando a quem ganha acima do teto salarial que é algo superior a R$ 5 mi; a segunda fase deve chamar a quem ganha três salários até chegar a quem ganha um salário-mínimo”, completou.

O secretário reclamou o fato de o governo está dando incentivos a médicos do INSS para que eles realizem o trabalho com eficiência. “A cada pessoa revisada, o médico ganha R$ 60”, destacou Devaldo, lembrando que o agendamento da previdência perícias para fevereiro de 2017. (Por José Loiola Neto)