Assassinato do mototaxista Zé Augusto completa dois meses e familiares seguem angustiados.

Dois meses sem o mototaxista José Augusto Lopes. Dois meses de angustia por parte de familiares. Dois meses sem respostas da policia. Dois meses de muitos porquês?. O porque principal: a tamanha ferocidade, agressividade e crueldade do autor do crime, praticado durante a tarde de uma segunda-feira, dia 28/11/16 em trecho da estrada de acesso a localidade Gameleira, zona rural de Elesbão Veloso.

Zé Augusto, 35 anos, casado, pai de uma menina foi degolado por um desconhecido que contratou seus serviços como moto-taxista para uma viagem sem volta(para Zé Augusto), partindo do terminal rodoviário da cidade, onde o sujeito chegara por volta das 8h da manhã, e dali em diante passou a premeditar e tramar seu plano que seria consumado cerca de seis horas de depois de forma perversa.

O que se sabe baseado em versões de supostas testemunhas, porém não confirmado pela policia, é que, depois de praticar o latrocínio, já que levou a motocicleta da vítima, o sujeito retornou pelo mesmo caminho via Baixão do Edvar, rumou no sentido estrada de acesso a localidade Sabonete, em uma casa, ensanguentado se lavou antes de beber água servida por um morador.

Horas depois, já no começo da noite, o suposto acusado foi visto abastecendo a moto em um posto às margens da PI-224. Os dias se passaram, e nada de concreto em relação a aquele que foi um dos mais bárbaros assassinatos verificados em Elesbão Veloso.

A esposa da vítima, Célia Regina, via Facebook demonstrou está chateada mediante a demora da polícia para dar uma resposta para o caso. A irmã de Zé Augusto, a atendente de farmácia Lucinha Nunes até então não superou a perda e se mostra arrasada. O pai dele também sofre. Amigos de profissão se questionam o motivos do crime e ficaram temerosos. A polícia garante que as investigações prosseguem, e não estipulou prazo para encerramento. Até que o caso tenha um desfecho, certamente vão insistir os porquês?.

Por: José Loiola Neto