DE OLHO NA LÍNGUA- PROFESSOR ANTONIO DA COSTA, DE SOBRAL-CE- Material de domingo, 8/01/2017.

UTILIZAÇÃO DO ADJETIVO “MESMO”
O adjetivo mesmo concorda ou flexiona-se de acordo com o gênero e número das pessoas por ele representadas. Ele modifica os pronomes pessoais eu, tu, nós e vós. Exs.: Eu mesmo fiz (afirmação do homem); Ela mesma fez (afirmação de mulher); Nós mesmos publicamos (vários homens); Nós mesmo escrevi (afirmação do homem – plural majestático); Nós mesma escrevi (afirmação da mulher – plural majestático).

Mesmo funciona como advérbio. Exs.:  Saiu agora mesmo (isto é, imediatamente);Ele a quer mesmo (realmente); Comi mesmo o doce de batata (de fato).

Mesmo funciona também como pronome neutro. Exs.: Bebi o suco e Pedro fez o mesmo (a mesma coisa); Vi o mesmo que você (a mesma coisa). Contudo, há pseudointelectuais utilizando de forma condenável o vocábulo mesmo. Vale ressaltar que mesmo não é sinônimo de ele, este, seu ou aquele, nem a palavra mesma pode ser substituída por ela, esta, sua ou aquela. Forma ridiculamente utilizada: Procurei o diretor e o mesmo não estava na empresa (…e ele não estava…); Beatriz dá mesada ao neto, mas o mesmo já tem 30 anos (…mas este já tem 30 anos); Matokara Nomur será levado a julgamento, porque o mesmo é acusado de assassinar uma pessoa (…porque é acusado de…).

MORAR À RUA (REGÊNCIA)
Embora muito comum no português contemporâneo, devemos preferir a que se fundamenta no uso dos bons escritores: Moro na Rua X. É que os verbos que exprimem quietação, estabilidade pedem a preposição “em” e não a preposição “a”. Observe que ninguém dirá: Moro à França; Moro a Petrópolis; Moro no Beco do Cotovelo. E sim, Moro na França; Moro em Petrópolis; Moro no Beco do Cotovelo. Exs.: Moro na Rua Santana (Garrett); “Tempos depois, estando já formado, e morando na Rua de Mata-cavalos” (M. de Assis, Várias Histórias, pág.125).

CIRCUITO / GRATUITO / FLUIDO
Pronunciam-se com acento no “u” do ditongo: Circúito, gratúito, flúido (o substantivo). É verdade que apresentadores e repórteres de televisão continuam dizendo “circuíto”, “gratuíto” e “fluído”, mas creia: são apenas os despreparados. Sugiro a esses apresentadores e repórteres que sejam coerentes, pronunciem também: descuído, fortuíto, intuíto e outras besteiras.

ENTRE MIM /ENTRE SI (COMO USÁ-LAS)
É assim que se usa, e não “entre eu”, em frases como estas: Entre mim e você sempre haverá muita amizade; Entre mim e ela nunca houve sequer uma discussão. Usa-se entre si e não entre eles, quando houver ideia de reciprocidade, ou seja, quando o sujeito for da terceira pessoa do plural. Os árabes brigam entre si mesmos; As mulheres trocam acusações entre si mesmas. Não havendo reciprocidade, ou seja, não estando o sujeito na terceira pessoa do plural, usar-se-á, então, entre eles. Ex.: Não haverá mais brigas entre eles; Não houve discussão entre eles.

(*) Professor Antônio da Costa é graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, servidor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral. Contatos: (088) 9409-9922 e (088) 9762-2542.
Postagem anterior
Próxima postagem
Notícias Relacionadas

0 comentários: