DE OLHO NA LÍNGUA- PROFESSOR ANTONIO DA COSTA, DE SOBRAL-CE- Material de domingo, 29/01/2017.

PEDRO É UM PROFESSOR DE ARAQUE /JOÃO É UM CANTOR DE ARAQUE
O leitor Carlos Augusto pergunta o que significam essas expressões acima. Caro leitor, essas expressões eram muito citados nas décadas de 60/70 e significavam: professor de mentira, cantor de mentira. Araque é o nome de uma planta – “arak”. Dela se extrai uma bebida alcoólica e, como quem se alcooliza (embriaga), diz mentiras, passou a palavra araque a significar mentira, falso, não verdadeiro. Exs.: Aquele Fulano é general? É, sim, mas de araque, isto é, de mentira.

EU SOU DOENTE / EU ESTOU DOENTE (QUAL A DIFERENÇA?)
O verbo “estar” é empregado como verbo de ligação, mas com a seguinte diferença: Estar (lat. stare = está de pé) sempre implica ideia de transitoriedade, de existência momentânea, de estado acidental, ao passo que o verbo “ser” (lat. sedere  = estar sentado) traz ideia de permanência, de existência continuada, de estado permanente ou inerente.

Como verbo de ligação, o verbo “ser” é quase vazio de sentido, sendo, por isso, chamado verbo abstrato. É como se não existisse na oração; dizer: “o céu é azul” e “céu azul” é quase dizer a mesma coisa. Estes exemplos evidenciam a diferença de significação entre ser e estar: Permanência – Este homem é doente; Os dias são claros;
Ser pálido; Ser úmida uma casa. Transitoriedade: Este homem está doente; Os dias estão claros; Estar pálido; Estar úmida uma casa.

O caro leitor já deve ter percebido como os ministros de Estado dizem: Eu estou ministro. Dizem com muita propriedade, porque no outro dia já não estão no cargo.

ESQUECIMENTO
Não houve quem não gostasse do filme “Esqueceram de mim”. Pelo sucesso, teve até sequência. Mas a Língua Portuguesa sofreu com a tragédia vivida pelo pequeno Macaulay Culkin. As formas corretas seriam: Esqueceram-se de mim ou esqueceram-me. Não ia ficar tão bonito, mas seria o correto.

UMA CONFRATERNIZAÇÃO ESDRÚXULA
“Depois da vitória sobre o Vasco, no Japão, viu-se o lateral Roberto Carlos confraternizar-se com a torcida do Real Madrid”. Não existe isso. Confraternizar já indica reciprocidade. Portanto,  o “se” é perfeitamente dispensável.

DERROTA
“O Vasco perdeu do Real Madrid”. Escrevendo “Perdeu do Real Madrid”, a derrota fica até maior e mais triste. Prefira “perder para”. Frase correta:  O Vasco perdeu para o Real Madrid.


LÍNGUA TUPI
No Século XV e XVI, a língua tupi era amplamente falada no Brasil, inclusive por escritores como Padre Antônio Vieira e Gregório de Matos Guerra (O Boca do Inferno). Assim, é natural que muitos acidentes geográficos tivessem nomes indígenas, como Pará (rio), Paraná (mar), Sergipe (rio do siri), Paraíba (rio ruim) e Pernambuco (mar com fendas). Ipanema, tão linda, é nome de “lugar fedorento”. Você sabia?

(*) Professor Antônio da Costa é graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, servidor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral. Contatos: (088) 9409-9922 e (088) 9762-2542.