Governo deposita primeira parcela do piso para professores, mesmo assim, Sinte-PI está insatisfeito e afirma que houve quebra de acordo firmado em reunião. Veja

Disponível para servidores públicos do Estado do Piauí desde a 00:00 de sábado(28/1), a consulta on-line do contracheque referente a janeiro 2017. No caso específico dos servidores em Educação o que chama a atenção é o depósito dos 4% relativo a primeira de duas parcelas do valor do novo piso salarial do magistério, cujo percentual global concedido pelo MEC para este ano foi de 7,64%.

A decisão do governo causou surpresa não apenas aos profissionais em educação mas também em representantes do sindicato que representa a categoria, o SINTE-PI. Em entrevista ao Programa “A Voz da Educação”, patrocinado pelo sindicato, na Rádio Pioneira de Teresina, neste último sábado, a diretora Edimar Nascimento disse que o governo fugiu totalmente do que fora acordado na reunião do passado 20 de janeiro, oportunidade em que ficara decidido que seria feito pagamento por meio de folha suplementar.

– Agindo dessa maneira, o governo desrespeitou principalmente o sindicato da categoria, pois não houve folha suplementar; imediatamente foi creditado o valor junto com o salário mensal”, lembrou Edmar.

Imagem da primeira reunião entre governo e representantes do Sinte-PI, dia 10/01

Para a dirigente do Sinte-PI, o governo está entrando em contradição, na medida em que, primeiro diz que só daria para pagar o piso em duas parcelas até julho e que faria folha suplementar, e de repente, sem avisar já deposita o valor junto com salário de janeiro, Edmar deixou claro que o sindicato foi contrário a proposta.

– A lei do piso é clara, e diz que os governos tem de pagar o valor em parcela única, já que os recursos do Fundeb vem direto para municípios e estados para atender a todas as demandas referente ao piso dos professores, encerrou.

Por: José Loiola Neto