Enfermeiro Getúlio Portela fala sobre vacinação contra HPV em meninos e assegura que se preciso for Secretaria de Saúde voltará às escolas.

Por José Loiola Neto

Em recente entrevista ao Painel Popular/FM Eldorado, o enfermeiro Getúlio Portela que atua junto a Secretaria Municipal de Saúde de Elesbão Veloso, falou a respeito da vacina contra o vírus HPV, antes voltado para meninas de 9 a 13 anos, e agora estendido pelo Ministério da Saúde a meninos com essa mesma faixa-etária. Segundo Getúlio, o Brasil é o primeiro país da América Latina e o sétimo no mundo a oferecer a vacina para meninos.

Ele explicou que da mesma forma que foi feita a vacinação em meninas, antes da atividade sexual, vai ser adotada a mesma precaução em meninos, muitas vezes portadores assintomáticos podem ser portador ou transmitir esse tipo de vírus, responsável por alguns tipos de câncer, dentre eles, o de colo de útero, faringe, vulva etc.

Getúlio Portela durante evento no Ceep Benedito Leal em 2014. Foto: José Loiola Neto. Arquivo EN

Importante salientar que que fruto de campanhas anteriores, o município dispõe ainda de de certa quantidade de doses de vacina contra HPV, mas durante o último mês, a Regional de Saúde sediada em Valença do Piauí foi acionada no sentido de reforçar o estoque.

O enfermeiro ressaltou que o trabalho a ser desenvolvido pela Secretaria de Saúde dentro dos próximos dias no que se refere a destinação da vacina não é propriamente uma campanha, sim rotina. Como forma de orientar os pais, Getúlio diferencia os termos.

– Quando se trata de campanha, o Ministério da Saúde manda em determinado período do ano um certo número de doses, fazendo uma estimativa baseado no número de pessoas que tem naquela localidade com aquela faixa-etária, faz a campanha e após ela não se toma mais as doses. A rotina é permanente, dessa maneira, toda vez que uma criança completar essa idade, a vacina estará na rotina.

Getúlio Portela lembrou que os meninos deverão tomar duas doses da vacina para estarem imunizados contra o vírus HPV. A segunda dose deverá ser tomada após seis meses à primeira. Se o paciente for portados do vírus HIV deverá tomar três doses.

Ao comentar o índice de procura e aceitação à vacina em Elesbão Veloso, fruto da  campanha inicial a três anos atrás, Getúlio recordou que durante a aplicação da primeira dose a Secretaria de Saúde percorreu escolas, em razão disso, o saldo foi positivo, porém, a partir da segunda dose, não foi bem aceita, visto que o Ministério da Saúde orientou os pais que procurassem os postos de saúde, nesse intervalo de tempo, observa o enfermeiro houveram algumas informações repassadas na mídia quanto a efeitos adversos à vacina, o que pode ter interferido em relação a procura pela vacina.

– Conforme o Ministério da saúde e a Organização Mundial da Saúde a vacina contra HPV é extremamente segura, pode haver alguns formigamentos nas pernas ou demais, e isso, muitas vezes pode estar mais relacionado ao medo de tomar a vacina que efeito colateral da vacina.

O enfermeiro Getúlio Portela encerrou fazendo referência à notícias veiculadas em TV´s da grande mídia dando conta o lado negativo de se tomar a vacina, o que segundo ele nada foi confirmado, mesmo assim, a informação repassada atrapalhou bastante, prova disto é que algumas meninas não foram vacinadas, em alguns casos, pais acreditavam que a vacina era pra incentivar as adolescentes ao princípio da vida sexual.

– A Secretaria de Saúde tem buscando desenvolver estratégias no intuito de aumentar os índices de vacinação na cidade; se possível for retornar às escolas para que a gente possa aumentar o índice de vacinação. Nossa criação patriarcal ainda está muito arraigada. Tem de parar com essas estórias de que quem aplicar a vacina para impedir o avanço da reprodução ou para matar as pessoas; a finalidade dessa vacina é preventiva.

A partir do início de uma nova fase de vacinação contra o HPV, os pais de meninos e meninas em Elesbão Veloso poderão procurar a sala de vacinação do Hospital Estadual Norberto Moura, nos períodos manhã e tarde.

Por: José Loiola Neto