DE OLHO NA LÍNGUA- Professor Antônio da Costa, de Sobral-CE – Material de domingo 28.05.17

Homília / homilia


As duas pronúncias existem. Mas no Português contemporâneo já ficou consagrada a pronúncia paroxítona “homilía”. A palavra significa: pregação sobre o Evangelho em estilo simples. Em tempo: Na palavra homilia não existe acento agudo. O acento encontra-se aí só para indicar a pronúncia.

Projétil – projéteis / reptil – répteis
Segundo Rocha Lima (e a maioria dos gramáticos brasileiros), em sua Gramática Normativa da Língua Portuguesa, os substantivos réptil e projétil, ambos paroxítonos, admitem, também, na língua atual, pronúncia em “il” acentuado e, por isso, apresentam duas formas de plural possíveis: oxítonos: réptil – reptis; projetil – projetis; paroxítonos: réptil – répteis; projétil – projéteis. No Brasil, a forma mais usada é a paroxítona: réptil – répteis; projétil – projéteis. No entanto, as duas são corretas.

Guarda-roupa – guarda-roupas / guarda-noturno – guardas-noturnos
Muita gente boa claudica no plural dos substantivos compostos formados pelo substantivo guarda. Vejamos: Quando o primeiro elemento é a palavra guarda, há um meio prático de saber se guarda é verbo ou substantivo: se o segundo elemento for substantivo, guarda será verbo. Se o segundo elemento for adjetivo, guarda será substantivo.

Aplicando a regra: verbo – substantivo: guarda-roupa / guarda-roupas;  guarda-comida /guarda-comidas; guarda-chuva, guarda-chuvas; guarda-louça, guarda-louças; guarda-pó, guarda-pós. Substantivo – adjetivo: guarda-noturno, guardas-noturnos; guarda-civil, guardas-civis; guarda-mor, guardas-mores; guarda-florestal, guardas-florestais. OBS.: Guarda-marinha faz guardas-marinha (aceita, também, as formas: guardas-marinhas e guarda-marinhas.

W (Pronúncia: uóti)
Esta palavra não deveria estar aqui arrolada, porque não se trata de nome português. Ocorre, porém, que entre nós é muito usada. Ocorre, também, que muitos locutores e repórteres dizem que suas emissoras possuem potência de 1000 ‘vátis’ (com a letra V). A palavra é inglesa, e a grafia está rigorosamente de acordo com a língua de origem; logo, a pronúncia deve ser também à inglesa.

Locutores e repórteres, contudo, deveriam ler alguns livros de ortoepia (ou ortoépia) e prosódia, para que menos se equivoquem. Alguns leem ZYE assim: ZÊ, ÍPSOLÕ Ê. Certamente, esses cidadãos (e não, cidadões) também terão em casa lâmpadas GÊ Ê… Certamente, esses cidadãos já terão, um dia, desejado trabalhar na TV Ê e no IBGÊ.

Pese (Pronúncia: pêze)
Elemento da locução prepositiva “em que pese a”, que os jornalistas brasileiros usam apenas “em que pese” (omitindo o “a”). Vulgarizou se a pronúncia “pézi”, por influência da pronúncia da forma verbal “pese” (de peso). Tal elemento, todavia, é da mesma família de pêsames e do substantivo pesar (= condolências).

(*) Professor Antônio da Costa é graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, servidor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral. Contatos: (088) 9762-2542.