DE OLHO NA LÍNGUA- dicas do professor Antonio da Costa, de Sobral-CE- Material de domingo, 18/06/2017



Os problemas pelos quais eles estão passando são seríssimo ou seriíssimo

A forma castiça é: Os problemas pelos quais estão passando são seriíssimo. O Português contemporâneo já está aceitando a forma seríssimo, sem o desagradável hiato “íssimo” - seriíssimo. Em todos os adjetivos terminados em “io”, antecedidos por consoante, dobra-se o "i” na forma do superlativo absoluto sintético. Vejamos: Feio – feiíssimo; precário – precariíssimo; sério - seríssimo.


“Ele sempre foi mais grande do que realmente forte” ou “Ele sempre foi maior do que realmente forte?

A primeira: Ele sempre foi mais grande do que realmente forte. “Mais grande” é o que devemos usar e não “maior”, quando estamos comparando duas qualidades de um mesmo ser.


“A semelhança é incrível: o caçula realmente puxou o pai” ou “A semelhança é incrível: o caçula realmente puxou ao pai”?

A segunda: A semelhança é incrível: o caçula realmente puxou ao pai. Empregado no sentido “de sair semelhante” o verbo puxar é transitivo direto.


“Eles não fazem outra coisa senão dormir a tarde inteira” ou “Eles não fazem outra coisa se não dormir a tarde inteira”?

A primeira: Eles não fazem outra coisa senão dormir a tarde inteira. “Senão” pode ter o sentido de “a não ser”, “do contrário”, o que é o caso. “Se não” (separado) equivale a “caso não”. Obs.: “Senão” pode ser também substantivo.


“Hajam vistas os primeiros resultados, ele será eleito no primeiro turno” ou “Hajam vista os primeiros resultados, ele será eleito no primeiro turno”?

A segunda: Hajam vista os primeiros resultados, ele será eleito no primeiro turno. Na conhecida expressão, a palavra “vista” não se funciona. Hajam vista corresponde a “vejam”. No Português contemporâneo prefere-se a expressão “haja vista”, que corresponde a “veja”, por exemplo.


“Não costumam haver maiores divergências entre eu e os demais funcionários desta sessão em que trabalho a cerca de 12 anos”.


A frase em epígrafe apresenta três graves incorreções: 1º) Não costumam haver divergências... Corrigindo: Não costuma haver divergência... 2º) Entre eu e os demais funcionários... Corrigindo: Entre mim e os demais funcionários... 3º) ... A cerca de doze anos. Corrigindo: Há cerca de doze anos.


‘É sabido que mais de um dos que compareceram naquela solenidade não assinaram a lista de presença”.

Tal enunciado apresenta uma incorreção: mais de um dos que compareceram naquela solenidade não assinaram a lista de presença.  Corrigindo: Mais de um dos que compareceram naquela solenidade não assinou a lista de presença. Com a expressão “mais de um” o verbo fica no singular. O verbo vai para o plural quando “mais de um” vem repetido ou indica a reciprocidade. Ex.: Mais de um político se abraçaram.


(*) Professor Antônio da Costa é graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, servidor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral. Contatos: (088) 9762-2542.
Postagem anterior
Próxima postagem
Notícias Relacionadas

0 comentários: