Gleisi Hoffman fala a verdade e deixa senadores nervosos

Na última quarta-feira (28), quando da discussão e votação da reforma trabalhista no plenário do Senado Federal a senadora Gleisi Hoffmann, provocou senadores que defendem a matéria e os deixou nervosinhos quando ouviram a verdade de que toda população brasileira pensa atualmente. Confira trecho do discurso.

– É, deve ser! É porque não é bem isso que a gente vê. Por exemplo, eu vi pouquíssimos Senadores se manifestarem quando nós tivemos o problema do contrato dos terceirizados aqui. Vi Paim, vi Senador Pimentel. O pessoal falou comigo, eu também falei em plenário. A maioria, nem “tchum”. Não faz parte da vida das pessoas que estão aqui. Muitas vezes, não veem o outro, porque esse pessoal é invisível. É invisível para a classe dominante, é invisível para quem tem dinheiro, é invisível para a maioria de nós aqui. É muito triste o que a gente vê. Eu quero dizer que é para essa gente que nós estamos discutindo e que podemos votar uma reforma trabalhista. É para o ascensorista, é para o garçom, é para a cozinheira, é para o balconista, é para pedreiro da construção civil, carpinteiro. Vida dura, difícil. Eles não têm motorista para ir trabalhar. Muitos nem carro têm, têm que ir de ônibus, sacolejam duas ou três horas num ônibus para ganhar, no final do mês, sabe quanto, gente? Dois salários mínimos. Dois salários mínimos é o que a maioria ganha, no máximo três. É para essas pessoas que nós estamos fazendo reforma trabalhista. Os senhores podem dizer que não, os senhores podem fazer pirotecnia, dizer que é para ajustar, que é para melhorar a competitividade. De quem está no mercado formal, só 0,9% ganha perto de dez salários mínimos. –