Chefe do setor da Vigilância Epidemiológica comenta a respeito de combate a chinkungunya em Elesbão Veloso

José Francisco Sousa, coordenador do Setor da Vigilância Epidemiológica em E.Veloso


Por: José Loiola Neto

Para explicar os constantes casos de chikungunya em Elesbão Veloso, o coordenador local do setor de Vigilância Epidemiológica disse que o problema decorre em razão de hoje a cidade ter infestação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da doença.

Ouvido pela Eldorado FM, José Francisco Sousa explicou que no começo do ano, apesar da existência do mosquito, o índice não era tão alto, porém, com o passar dos meses, surgiu um caso importado de outra cidade, o mosquito passou a atuar de uma forma mais efetiva.

– Importa lembrar que um mosquito só é capaz de infectar várias pessoas em pouco tempo. Fazia tempo que a gente não se deparava com essa situação. Conseguimos ter êxito em anos anteriores, esse ano infelizmente não alcançamos nosso objetivo que era controlar a ponto de evitar casos de dengue e chikungunya em nosso município.

José Francisco destaque que a certa falta de cuidado da população contribuiu para o alargamento do número de casos de chikungunya. O chefe do setor da Vigilância Epidemiológica disse que sua equipe nunca cruzou os braços, desde que houve a primeira suspeita de caso, foi feita uma solicitação junto a 7ª Regional de Saúde de material para evitar que não houvesse a explosão do número de casos.

– Mas pelo fato de não sermos atendidos de imediato já que passamos 15 dias para sermos atendidos dificultou o bloqueio, e isso contribuiu para que o problema se alastrasse ainda mais.

José Francisco disse durante a entrevista que foram encontrados focos do mosquito Aedes Aegypti no Centro de Elesbão Veloso. Na área do Matadouro também foram detectados focos. No momento estão sendo feitos trabalhos de combate ao mosquito em áreas específicas.

– Não podemos fazer esse trabalho em todas as ruas, vamos fazer apenas nas áreas onde foi detectado focos porque não temos como atender toda área territorial urbana, estamos fazendo um trabalho de de emergência para combater o mosquito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *