Pedreiro Zé Marreca diz sentir muita saudade do seu pai, o pedreiro e marceneiro Antonio Mundeza.

Por: José Loiola Neto/Notícias de Elesbão

Seu Antonio Mundeza(1931-2017)

Nessa segunda-feira próxima, dia 11/9, se estivesse vivo, o pedreiro e marceneiro Antônio Mundeza completaria 86 anos. Com problemas nas cordas vocais e laringe, Tiú, como também era conhecido faleceu no último mês de julho.

Um de seus filhos, o pedreiro Zé Marreca em recente conversa com este repórter disse sentir muita falta do seu genitor, pessoa importante para que ele se tornasse o profissional que hoje é, notadamente um das pessoas de destaque no ramo da construção civil não apenas em Elesbão Veloso, mas em toda a região do Vale do Sambito.

– Eu lembro muito bem quando fui a primeira vez para Teresina, eu tinha 15 anos, e ele era o encarregado e em 1976 ele me entregou, disse que eu seria encarregado pelas obras e ele seria apenas um trabalhador.

Zé Marreca disse que tem sentido bastante a falta do seu pai e sua maior sentimento é que o seu pai morreu lhe chamando, e quando o aviso chegou até ele não havia mais tempo deles trocarem as últimas palavras. Marreca, o 3º filho dos 12 filhos de Seu Antonio Mundeza recorda a relação estreitada que tinha com o pai.

– A noite que eu não ia lá na casa dele porque estava cansado do trabalho, pois devagarzinho ele vinha até minha casa.

Nascido na localidade Furnas, Seu Antonio foi um dos poucos homens da região a trabalhar montando engenho, foi também marceneiro.  Zé Marreca disse que dois meses antes de vir a falecer seu Antonio lhe pediu que fosse sepultado no lugar em que nasceu. Além da esposa com quem teve 12 filhos, Antonio Mundeza deixou 33 netos e 18 bisnetos.