DE OLHO NA LÍNGUA- PROFESSOR ANTONIO DA COSTA, DE SOBRAL-CE- Material de domingo, 9/04/2017

Imagem ilustrativa apanhada no Goooogle

NÃO CONFUNDA “ESTAR AO COLO” COM “ESTAR NO COLO”
“ESTAR AO COLO” é estar ao pescoço, ao peito. “ESTAR NO COLO” é estar nos braços, nas coxas. Assim, um colar ou uma fita pode estar ao colo. Podemos também erguer uma criança ao colo, de modo que fique com uma perna de cada lado do pescoço. No sertão, as mulheres costumam ir ao trabalho levando o filho pequeno ao colo, prática que, não raro, causa vergadura nas pernas do pobre rebento – que o estigmatiza, às vezes, pelo resto da vida.
Um bebê pode, assim, estar ao colo ou no colo. De outro lado, não se costuma ver ninguém sentado ao colo de ninguém. Contudo, caro leitor, é fato corriqueiro ver alguém estar sentada no colo de outro.

NÃO CONFUNDA: FALAR COM DIZER
Falar é simplesmente exprimir pela voz. Qualquer pessoa, em não sendo muda, fala. Um papagaio fala; uma criança de tenra idade fala; a maioria dos políticos fala em demasia. Dizer é expressar por meio de palavras (faladas ou escritas). Nem todo o mundo “diz”, caro leitor; a maior parte dos políticos, principalmente. 

Há certo tipo de pessoas que falam, falam, falam, mas não dizem coisa nenhuma. Por isso mesmo, o verbo falar não deve ser usado assim: Ele falou que não ia mexer na Caderneta de Poupança; Ela fala que inflação vai baixar; Ninguém ouve o que ela fala… Em todas essas frases o verbo “falar” se substitui com vantagem pelo verbo “fazer”. 


GASTANÇA
“O desperdiço do dinheiro público é um abuso injustificável” – Abuso duplo! O correto é: O desperdício do dinheiro público é um abuso injustificável.
Atenção: As duas formas existem, mas desperdiço é forma verbal (eu desperdiço – primeira pessoa do singular do Presente do Indicativo do verbo desperdiçar. Desperdício (gasto ou despesa inútil, esbanjamento) é substantivo.

AMBAS ESSAS FRUTAS
Não há inconveniente nenhum em usar o numeral “ambos” juntamente com os demonstrativos: esses (ou essas), estes (ou estas), aqueles (ou aquelas): Ambas estas xérox foram tiradas ontem; Ambos aqueles campanhas são franceses.

VESTIR VESTIDO NOVO
O caso é idêntico ao de “pescar um peixe enorme”. Podemos empregar o verbo vestir com o substantivo vestido, mas desde que esse se faça acompanhar de um adjunto: Elza vestia um lindo vestido azul; Vista o vestido novo, Clarissa; Luísa vestia vestido estampado. Pleonasmo é dizer ou escrever: Vestir vestido; pescar peixe. Ao acrescentarmos um adjunto fugimos do pleonasmo.

ANIVERSÁRIO NATALÍCIO
Em “aniversário natalício” não há nenhuma redundância. Um aniversário pode ser não só de nascimento, como também de fundação, de posse, de batizado, de casamento e até de desquite. Aliás, este é o aniversário que mais se comemora hoje no Brasil. Já temos agora o aniversário de divórcio. E a vida continua.

(*) Professor Antônio da Costa é graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, servidor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral. Escreve esta Coluna toda terça-feira. Contatos: (088) 9409-9922 e (088) 9762-2542.