DE OLHO NA LÍNGUA- Dicas de português do Professor Antonio da Costa de Sobral-CE- Material de domingo, 1º/10/2017

domingo, 1 de outubro de 2017

DE OLHO NA LÍNGUA- Dicas de português do Professor Antonio da Costa de Sobral-CE- Material de domingo, 1º/10/2017

Professor Antonio da Costa

Quando devo empregar São e Santo?

Se o nome do ex-Beato começar por vogal ou “h’, use Santo. Exs.: Santo Antônio, Santo Enoque. Caso mencionado nome seja iniciado por consoante, use São. Exs.: São Francisco, São José, São Benedito.

Existem exceções: Santo Tomás de Aquino (ou São Tomás de Aquino), Santo Papa, Santo Tirso, Santo Cristo,

Santo é ainda a forma que se usa antes de outros títulos (Santo Frei Gil) ou referente a patriarcas do Velho Testamento: Santo Jeremias, Santo Jó. Com os nomes próprios femininos usa-se sempre a forma “Santa”: Santa Cecília, Santa Inês, etc.


Os jovens nunca fecham (é) (ou fecham - ê?) os seus armários

Os jovens nunca fecham (fêcham) os seus armários. A correta pronúncia é com “e” fechado. Interessante é que alguns gostam de pronunciar “fechar” (é), mas seus derivados pronunciam: fêchadura, fêchamento, etc. (OBS.: O acento é só para indicar a pronúncia).


Qual de nós permanecerá (ou permaneceremos) na frente do combate?

Correto: Qual de nós permanecerá na frente do combate. O “qual” procura a unidade. Mas: Quais de nós permanecerão; Quais de nós permaneceremos.


Naquela sala havia (ou tinha?) cerca de sessenta alunos
Correto: Naquela sala havia cerca de sessenta alunos. O verbo “ter” somente deverá ser empregado quando o sujeito for possuidor. Ex.: A casa tem quatro janelas; Na casa há quatro salas.


Verificamos a presença de uma imensa colméia (ou colmeia?) no telhado da varanda.

Colmeia. O Acordo Ortográfico vigente determinou a retirada do acento dos ditongos “éi” e “ói” das palavras paroxítonas.



É necessário protocolizar (ou protocolar?) este documento com relativa urgência


A Língua Portuguesa registra as duas formas: protocolo + ar = protocolar e protocolo + izar = protocolizar.


A coloca que (ou a que?) ele aspira é realmente muito disputado
Quando empregado na acepção de desejar, pretender, almejar o verbo aspirar é transitivo indireto, exigindo, no caso, a preposição “a”. Exs.: Ele aspira ao cargo; Ele aspira à vida eterna; O cargo a que ele aspira; A vida a que ele aspira.


Um e outro projeto mereceu (ou mereceram?) o aplauso dos diretores

As expressões “um e outro” e “uma e outra” podem levar o verbo ao singular e ao plural. Portanto, podemos construir: Um e outro projeto mereceu (ou mereceram) o aplauso dos dirigentes.


Informamos que o trem descarrilhou (ou descarrilou?)
Conquanto a forma vernácula seja “descarrilar”, que significa “sair do carril”, aceita-se a variante descarrilhar (contestada pela maioria dos gramáticos).



Imprensa escrita, Imprensa falada, Imprensa televisada (ou televisionada)

Embora já bastante vulgarizadas e acolhidas em dicionários, estas expressões pecam pela impropriedade de adjetivação. Diga-se apenas imprensa (com referência a jornais, livros e revistas), rádio, televisão. Para designar o conjunto dos processos escritos e eletrônicos de divulgação de informações, prefira-se meios de comunicação ou veículos de informação.


(*) Professor Antônio da Costa é graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, servidor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral. Contatos: (088) 9762-2542.

Nenhum comentário:

Postar um comentário