DE OLHO NA LÍNGUA- Dicas de português do Professo Antonio da Costa de Sobral-CE- Material de domingo, 28/01/2018

domingo, 28 de janeiro de 2018

DE OLHO NA LÍNGUA- Dicas de português do Professo Antonio da Costa de Sobral-CE- Material de domingo, 28/01/2018



Regimento “interno”
“O nobre vereador conhece profundamente o regimento interno da Câmara”. Caro leitor, gostaria que você soubesse que todo regimento é interno. Portanto, diga somente regimento: “O nobre vereador conhece profundamente (a fundo) o regimento da Câmara”. Por acaso, você já ouviu falar do regimento exterior? Responda-me. Eu nunca ouvi isso.

Afora / A fora
Afora, numa só palavra só, significa à exceção de, além de, para o lado de fora, ao longo (tempo, espaço). Exs.: Saíram todos, afora (menos, à exceção de) o pai; Teve sete filhos, afora (além de) alguns bastardos; Saiu pela porta afora (para o lado de fora); Andou pelo Brasil afora (ao longo, espaço); Não estudou pelo ano afora (ao longo, tempo).

A fora (separadamente) existe em oposição a “dentro”: De dentro a fora. Os clássicos usavam muito a forma “fora”. Com o passar dos anos, a expressão ganhou um “a” protético, “afora’.

Aforismo ou aforisma?
Embora muita gente boa use a forma “aforisma”, a correta é “aforismo” (com a letra “o”) no final da palavra.

“Somos seis” ou “Somos em seis”?
Embora muitos digam “Somos em seis”, a expressão correta é somente “Somos seis”. Da mesma forma se dirá: No carro estávamos quatro; Ficamos cinco na sala de espera; Fomos quatro falar com o diretor.

É verdade que não exista a palavra somatória?
É verdade. Nossa Língua só possui “somatório”: Um somatório de crises; Um somatório de  equívocos; Um somatório de problemas, etc.

Devo dizer réptil ou réptil?
Diga do modo como quiser, já que ambas as prosódias existem, assim como projétil e projétil. O plural de réptil, todavia, é répteis; de réptil é reptis. O de projétil é projeteis; o de projetil é projetis

Talvez irei comprar esse livro
Antes mesmo de comprar qualquer livro, procure dizer melhor: Talvez eu vá comprar esse livro. Antes de verbo, “talvez”exige o subjuntivo: Talvez eu faça; Talvez eu consiga. E não: Talvez eu farei; Talvez em consigo, etc.

Posso dizer que ‘o pessoal não sabem disso’?
Nem no banheiro, sozinho! Pessoal, turma, povo, etc. pedem verbo no singular. Exs.: A turma não gostou da festa; O povo não gosta de política (E não: A turma não gostaram da festa; O povo não gostam de política).

Muita gente usa: “Se caso começar a chover, recolha a roupa do varal”. É isso mesmo?
Se acaso você ouvir uma frase assim algum dia, primeiro recolha a roupa do varal. Depois de chuva, de refrescar, faça ver à pessoa que, se acaso ela cometer novamente esse erro poderá, em vez de chuva, cair tempestade. Caro leitor, lembre-se da belíssima canção do velho Lupicínio Rodrigues: “Se acaso você chegasse...”

A palavra correta é: desperdiço ou desperdício?
As duas existem, mas a primeira é forma verbal (eu desperdiço); a segunda é substantivo: o desperdício. Há muitos que usam desperdiço de papel, desperdiço de dinheiro, desperdiço de tempo. Ou seja: um verdadeiro desperdício de asneiras.

(*) Graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, funcionário do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral (CE). Contatos:  (088) 99762-2542.

Nenhum comentário:

Postar um comentário