DIREITOS AUTORAIS

header ads

DE OLHO NA LÍNGUA - dicas de português pelo Professor Antônio da Costa de Sobral-CE- Sábado - 14.03.2020

Comi dois pratos de macarrão
Um total de mais de 80 mil pessoas participaram do evento
Diga-se: Um total de “mais de 80 mil pessoas participou do evento”. Em concordância verbal, a regra é sempre a mesma: O verbo deve concordar em pessoa e número com o sujeito. Neste exemplo, o sujeito do verbo “participar” é “um total de mais de 80 mil pessoas”. É um caso de sujeito cujo núcleo é o substantivo “total”, que está no singular. Daí, a concordância lógica do verbo no singular: “um total... participou...”

NOTA: Caso não houvesse a palavra “total”, ou seja, se o sujeito da oração fosse “mais de 80 mil pessoas”, o núcleo do sujeito passaria a ser “pessoas” e a concordância deveria ser feita no plural: “mais de 80 mil pessoas participaram do evento”.

No Português contemporâneo, principalmente na imprensa, essa concordância não é seguida conforme a regra. Muitos gramáticos aceitam a concordância “mais de 80 mil pessoas participaram do evento”. O grande linguista Joaquim Mattoso Câmara já dizia, em um dos seus livros, “A concordância verbal pertence mais à Semântica do que mesmo à Estilística.”

Comi dois pratos de macarrão
As pessoas leigas em assuntos linguísticos dizem logo: a pessoa não pode comer dois pratos de comida, porque ninguém come prato.

Pode, sim. Quando a pessoa assim se expressa, está usando uma metonímia. E o que é metonímia? A palavra metonímia deriva do grego “metonymia. É formada pelo prefixo “meta”, quer dizer mudança, transposição, + o sufixo “onoma” (“nome”). Metonímia é, portanto, mudança, transposição do nome. Ou seja: metonímia é a substituição de uma palavra por outra, quando entre ambas existe uma relação de proximidade, de sentido, que permite essa troca.

Exemplos.: O estádio  aplaudiu o jogador (estádio está por “os torcedores”); Meu escritor de preferência é Machado de Assis e sempre o leio (Leio as obras de Machado de Assis); Bebi dois copos de água (ou d´água). Isto é: Bebi a água contida nos corpos; Caixa d'água (caixa que contém água). Metonímia, enfim, é uma figura de linguagem que surge da necessidade do falante ou escritor dar mais ênfase à comunicação.

Cálamo dícimus
Expressão latina que significa “aprendemos com o lápis; é com lápis; é escrevendo, tomando nota que aprendemos.”

Poder
Não confunda “podemos”, no presente do Indicativo, com “pudemos”, no pretérito: Podemos agora; Pudemos no passado.

Ouvido
Pessoas de certa cultura dizem “ouvisto” por confusão com “visto”. O verbo ouvir nada tem com o verbo ver. Diga corretamente: Tenho ouvido dizer... E nunca: Tenho ouvisto dizer...

Verba volant, scripta manet
A expressão em epígrafe significa “As palavras voam, os escritos permanecem”. Provérbio de grande atualidade que aconselha prudência em pronunciamentos comprometedores e na assinatura de contratos bilaterais.

Res, non verba
Locução latina que significa “Obras, não palavras”. Emprega-se para indicar que determinadas situações exigem mais do que meras promessas.

(*) Graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, funcionário do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral (CE). Contatos: (88) 99868-2517.

Postar um comentário

0 Comentários