Ad Code

Responsive Advertisement

PAPO DE BOLA- Destaque do Piauí EC no famoso 'time da moda', ex-jogador Francisco Ézio desenvolve projeto de escolinha em Miguel Alves-PI, lamenta atual situação do Flamengo-PI, dá dicas para jovens vencer na vida, e lembra: "estudo em primeiro lugar"

Èzio se destacou nos gramados piauienses durante as décadas de 1970 e 80

Por José Loiola Neto

O ex-ponta esquerda Francisco Ézio, atualmente com 64 anos(11/07/1957) que integrou o time da moda à época do Piauí EC foi nosso entrevistado no quadro "Papo de Bola", do domingo(06/03/2022), oportunidade em que esse cearense, que atuou por alguns clubes do futebol piauiense, incluindo Piauí EC, Tiradentes. Flamengo e Auto Esporte, todos de Teresina contou um pouco da sua vida futebolística bem como fora dos gramados. 

Ao falar de Teresina, Ézio se derrete, pois segundo ele, a capital piauiense lhe projetou não apenas para o esporte, mas para a vida. 

Na entrevista, o ex-jogador disse que o futebol lhe proporcionou alegrias, inclusive a oportunidade de conhecer o rei do futebol Edson Arantes do Nascimento, o Pelé.

Atualmente, por meio da Escolinha RK em Miguel Alves-PI, ele desenvolve um projeto voltado para crianças e adolescentes.

Vivendo sozinho, desde que se divorciou, Ézio conta que mantém convivência amistosa com a ex-esposa e agradece a Deus pela formatura dos filhos.

Para Ézio, o futebol foi um trapolim para obter conhecimentos não apenas para a carreira, mas para consolidar amizades verdadeiras. Ao Papo de Bola, o nosso entrevistado também comentou a respeito da situação dos clubes piauienses, dentro e fora de campo, lamentou a situação vexatória do Flamengo e fez projeções positivas para essa temporada que está começando, disse acreditar na boa desenvoltura dos clubes piauienses nas competições a nível nacional. Abaixo, os principais trechos da entrevista. 


HISTÓRICO DO COMEÇO DE CARREIRA 

- Eu sou cearense. Mas me considero um pouco piauiense. Eu comecei a jogar na Escolinha do Fortaleza, de lá vim para o Ríver, depois fui para o Piauí, depois disso fui jogar no Guarani de Juazeiro do Norte, depois disso, o técnico Mormaço me trouxe de volta ao Piauí para jogar pelo Flamengo-PI, mais tarde regressei ao Piauí EC, depois fui para o Tiradentes. 


FIM DE CARREIRA, INGRESSO NA PMT E PROJETO ESCOLINHA

- Meu último clube foi o Auto Esporte de Teresina, onde encerrei a carreira, depois fui trabalhar na Prefeitura de Teresina na época do prefeito Wall Ferraz. Eu e outros jogadores fomos indicados pelo jornalista Deusdete Nunes, o Garrincha. Nesse período em que trabalhei para PMT fiquei também a disposição da Prefeitura de Miguel Alves-PI na época do Dr Ivan Couto, montei a Escolinha Bebel, e dentro dessa escolinha teve dois jogadores que eu mandei para longe- o Pedro e o Armando, mas não deram certo no futebol, porém a escolinha teve resultados, pois hoje temos professores, doutores e empresários e hoje estou trabalhando com filhos de meus ex-alunos, isso é muito interessante. 


ANÁLISE DA CARREIRA: MAIS VICES E CONTATO COM O REI

- Fui mais vice que campeão. Mas os títulos de campeão foram os que mais deram ênfase na minha carreira. Fui campeão pelo Fortaleza, naquela época em que tinha as Olimpíadas do Exército, campeão também pelo 4º Exército da Bahia. Nessa época, conheci Pelé, mas como naquela época não tinha celular, enfim, essa globalização e facilidades dos dias atuais não saiu nenhuma foto com o rei, mas tive o prazer de em Curitiba conhecer o Pelé, na ocasião em que foi feito lá uma das edições das Olimpíadas do Exército. 


OPORTUNIDADE DE CONHECER O BRASIL ATRAVÉS DO FUTEBOL 

- No Piauí, os vices-campeonatos pelo Piauí EC em 1978 e 1979 nos deu a oportunidade de participar do Campeonato Nacional. Naquela época não existia essas divisões de séries como hoje, então fomos direto, daí tive oportunidade de ir para Recife, Rio de Janeiro, jogamos também em Uberaba e Uberlândia em Minas Gerais. Conheci boa parte do Brasil através do futebol e jogando. 

FUTEBOL E AMIZADES

- Umas das maiores alegrias que o futebol me proporcionou foram as amizades. Através do esporte você consegue grandes amigos dentro de todas as áreas. 

ESTUDOS PARA A VIDA

- Tive o privilégio de fazer pedagogia, educação física, adaptação básica de saúde e alguns cursos suplementares. Agora mesmo no dia 26 Março teremos em Teresina um curso sobre futebol de salão de com um professor do Corinthians e eu vou está lá me reciclando, trabalhando. Quando você trabalha nessa área você precisa estar por dentro e em dia. 

VIDA NO DIA A DIA

Agradeço a Deus por estar com com 64 anos e praticamente em forma e na ativa, sou católico praticante, sempre vou a missa, faço parte do terço dos homens e sou devoto de São Francisco. 

DICAS PARA OS JOVENS

- Toda minha palestra informal ante do treino em conversa com meus alunos, eu sempre tenho esse ditado: 'se não for Pelé, mas será um cidadão'. Peço para eles levaram o futebol e os estudos a sério, tenho um dilema: 'craque na bola, craque na escola'. Eu tinha uma escolinha no bairro Taquari quando morava em Teresina, fomos inclusive campeão da Copa Semel Sub-11 e eu sempre adotei esse lema. Hoje em dia existem vários professores, as vezes sem apoio para tirar crianças das ruas, mas o foco principal deve ser os estudos. Então nossa dica é: primeiro é estudo, e depois se quiser ser um jogador profissional, precisa ter coragem, determinação e vontade. Estudo em primeiro lugar. Na minha época, eu tinha um professor que formava time e se você se destacasse ia para um time maior, não é como hoje, onde no Brasil existem vários jovens revelados por escolinhas piauienses. 

NOMES DESTAQUES NAS ESCOLINHAS NO PIAUÍ

- Cito aqui o professor Bebeto, o Giva com quem trabalhei no Piauí e no Ríver, uma pessoa muito dedicada ao trabalho junto as crianças. 

APOIO DO PAI PARA SE TORNAR PROFISSIONAL

- Meu pai tinha jogado no Fortaleza e no nosso bairro em Fortaleza tinha o Vila Iracema, ele sempre quis que eu fosse jogador de futebol, pagava minhas passagens em ônibus, fazia todo esforço. Quando vim jogar pelo Piauí e a sede era na João XXIII e seu Bero era treinador ele e minha mãe vieram assistir a jogos meus aqui. Meu pai queria que eu fosse profissional, que ele não foi e eu fui. Ele morreu, mas viu eu sendo jogador profissional com contrato assinado e tudo, quando ele faleceu eu estava jogando pelo Tiradentes. Que Deus o tenha, eu me inspirei muito nele. 

FUTEBOL DO PIAUÍ E A SITUAÇÃO DOS CLUBES

- É triste você vê a situação atual do Flamengo. Quando estava em Fortaleza li uma matéria em que via o seu Raimundo tentando levantar o time, fazer alguma coisa pelo clube. Acho o seguinte: para se fazer um futebol melhor, precisa investir, sem investir, não adianta querer fazer futebol sem investimento. Devemos dizer também que o Flamengo tinha um sede fantástica na Barão, na época em que joguei, venderam essa sede. O Piauí vendeu sua sede, o Ríver vendeu, mas conseguiu manter uma sede. Por outro lado, temos que parabenizar o Altos e o Fluminense, que conta com um grande amigo meu o Aníbal Lemos, um sujeito de alto gabarito. Mas no geral, quanto aos clubes, você precisa dá condições de trabalho a essas pessoas que trabalham no futebol e vê as pessoas do estado porque as vezes você traz uma pessoa de fora e talvez a capacidade não seja a mesma. 

INVASÃO CEARENSE AO PIAUÍ

- Muita gente que veio jogar aqui ficou. Temos casos de Flávio, Sabará, Mirandinha, Paulinho, Jorge Veras e o Ronaldinho, que é um cara que faz um trabalho muito bom no futebol feminino do Fortaleza, ele treina as meninas na praia, fiz um curso de treinador com ele pela CEFECE e ele me deu muita força. O Ronaldinho é mais jovem, mas temos outros que vieram para cá, são amigos, graças a Deus que o futebol nos proporcionou muitas amizades. 

AMIZADES NO ESPORTE

- Tem várias. Desde aquela de fundo de quintal ao desembargador. Se for falar vai levar o programa todo. A maioria são pessoas que amavam e sempre quis vê esse futebol piauiense cada vez melhor. 

SAUDADE DAS JORNADAS ESPORTIVAS

- Quem não sente?. Fomos fazer um jogo de confraternização da AGAP, ai encontrei com Sima, Batista, Zuegas, depois ficamos conversando, você não tem mais aquela boa forma física de correr, mas só o fato de se reunir vale muito. 

CARACTERÍSTICAS COMO ATLETA

- Eu era aquele famoso ponta esquerda. Fazia um trabalho tático, que naquela época era o chamado quarto homem. O time da moda era Chicão, Maninho, Lima e eu, que marcava mais, porém quando ia à linha de fundo, eu tinha um recurso e amigos meus falam até hoje do tradicional 'rabo de vaca', é uma jogada que poucos ponta esquerda faziam, eram poucos que tinham aptidão desse trace. Sempre fui um jogador obediente taticamente, atendia a ordem tática dos treinadores, aliás tive bons treinadores: Mozar Gomes, seu Bero, Mormaço. Quanto à disciplina em campo, acho que só fui expulso uma vez, no final de carreira no Auto Esporte contra o Flamengo. 

LEITURA DO ATUAL CAMPEONATO PIAUIENSE

- Estamos vendo aí os quatro principais- Fluminense, Altos, Ríver e 4 de Julho. Agora o que nos entristece é vê o Flamengo nessa situação, é triste. No meu ponto de vista, acho que vai dá uma final entre Fluminense e Altos. 

PROJETO ESCOLINHA EM MIGUEL ALVES

- Estou trabalhando a minha escolinha nas modalidades Fraldinha que são crianças de 6, 7 e 8 anos, temos também o Sub-11, 12, 13 e 14 e futuramente o Sub-17. Estou apenas com quatro meses de trabalho, ainda na fase de adaptação. Estou trabalhando com crianças carentes, são crianças que foquei em um projeto chamado 'O Anjo da Escolinha', na prática é uma pessoa que paga para essa criança que não tem condição. O projeto funciona na Arena RK, que é do Renato Kirino que me deu toda prioridade para esse trabalho. Temos anjos em São Paulo, Brasília, em Minas e aqui em Miguel Alves e em outras partes do país. Eles fazem o pagamento e a gente tira crianças da ociosidade. 

GRATIDÃO A AGAP-PI

- Eu trouxe o time da AGAP aqui(para Miguel Alves) e o Manoel Batista, Joniel, Sabará, Aníbal, Netão fizeram uma coisa muito bacana, vieram para cá sem cobrar cachê e ainda doaram material para minha escolinha, então agradeço muito a AGAP por essa força que eles deram. 

FAMÍLIA

- Minha família de fato mora em Fortaleza. Minha mãe. Eu sou solteiro. Sou divorciado. Meus filhos estão todos formados, mas eu sou amigo da mãe deles. Por enquanto estou morando só, rapaz velho(risos), estou na tranquilidade, uma vida tranquila, pacata, dentro dos princípios, respeitando ao próximo e bola pra frente. 

SUPER ÉZIO

- Esse rótulo Super Ézio veja bem como é: ele morreu(Ézio ex-Fluminense-RJ, faleceu em 2011) e eu fiquei. Aqui tem um Jorginho que tem uma escolinha de futebol e ele só me chama de Super Ézio, e isso vai ficar comigo, o outro já foi, então fico com esse título agora, até porque sou mais velho(Ézio do Flu é de 1966, Francisco Ézio nasceu em 1957). 

CLUBES DO CORAÇÃO

- Eu sou Flamengo e em Teresina torço para o Piauí EC. 

AMOR POR TERESINA

- Nós que viemos de Fortaleza para cá fomos abraçados. O piauiense é muito hospitaleiro, não só comigo, mas com outros atletas como Luís Eduardo, Alemão, Décio Costa, enfim, outros jogadores que vieram de fora e foram bem recebidos e tratados. O piauiense tem essa marca de ser muito hospitaleiro e cordial. Eu me considero também piauiense. Nós amamos essa terrinha aqui, que muitos dos próprios piauiense não gostam nem dão valor. Mas é importante você estar no lugar em que se sinta bem e com coração alegre. 










































Reactions

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu