DE OLHO NA LÍNGUA- Dicas de português do Professo Antonio da Costa de Sobral-CE- Material de domingo, 17/09/2017

domingo, 17 de setembro de 2017

DE OLHO NA LÍNGUA- Dicas de português do Professo Antonio da Costa de Sobral-CE- Material de domingo, 17/09/2017

Dicas de Português com o professor Antonio da Costa. de Sobral-CE

Por Professor Antonio da Costa, de Sobral-CE

“Lapizão” de cera
O aumentativo de lápis - qualquer criança sabe - “lapisão (com “s”). Mas uma fábrica de lápis de cera achou de estampar na caixa do seu produto, em letras enormes: “Lapizão” de cera. Não tenho visto o referido produto: ou acabou, ou mudaram o nome. Se acabou, mereceu; se mudaram de nome, fizeram-no a tempo.


Vinha vindo (É correto?).
É correto: O verbo vir pode ser auxiliar de si próprio, assim como o verbo ir: Eu ia indo, e ela vinha vinda...


Turma (Como fica o verbo?).
O verbo fica no singular: A turma não gostou do filme; A turma não chegou; A turma ficou falando mal de você.


Trocar de roupa (É a expressão correta?)
É a expressão correta, mas há quem prefira trocar-se, e é aí que se lambuza todo...


Sósia
É nome sobrecomum, ou seja, usa-se o sósia tanto para a mulher quanto para o homem, assim como criança, vítima, testemunha, pessoa, ídolo, bebê, etc. Portanto, todos queiram ver o sósia, que era uma mulher brasileira. O sósia de Julia Roberts no Brasil é uma garota de 16 anos. Os dicionários brasileiros, no entanto, insistem em registrar esse substantivo como Comum de dois. Não é assim em nenhuma língua latina.


Sanguíneo (Como se pronuncia)
Pronuncia-se com “u” sonoro ou não, indiferentemente. A mesma faculdade se dá com sanguinário.


“Viva” os brasileiros
Embora todo mundo use “Viva” como se fosse uma interjeição, trata-se de um verbo, sujeito, portanto, a variações. Salve! é que é interjeição e não varia nunca. Se o sujeito do verbo viver, em frases assim, estiver no plural, o verbo deverá naturalmente acompanhá-lo. Portanto: Vivam os brasileiros! Viva eu! Viva ela! Vivam as férias! Vivamos nós, brasileiros! Vivam os políticos brasileiros!


Cheguei “às” 10 para meia-noite
Esse é um verbo generalizado entre nós, brasileiro. Ora, se dez se refere a minutos (que é palavra masculina) não tem cabimento chegar às dez para a meia-noite, mas, sim, aos dez para a meia-noite. Ou seja: aos dez minutos para a meia-noite. Acostumemos as orelhas: O telejornal, naquela época, começava aos cinco para as oito; Eles retornaram aos vinte para a uma; O ônibus saiu aos três para as seis.


Rostro (Como se pronuncia)
Pronuncia-se com o tônico aberto: róstro. Tem as seguintes acepções: 1) Bico das aves: Os golfinhos nãopossuem rostro definido. 2) Remate de proa de um navio. Está claro: não se confunda com rosto, cujo tônico é fechado.


Vimos ou viemos?
Quanto ao verbo “vir”, devemos usar “vimos” quando se trata de ação presente; e “viemos”, quando se trata de ação passada. Exs.: Ontem, viemos aqui e não o encontramos; Por isso, hoje, vimos novamente.

(*) Professor Antônio da Costa é graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, servidor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral. Contatos: (088) 9762-2542.

Nenhum comentário:

Postar um comentário