A serviço de JC Turismo/Jerrivan Cavalcante de Elesbão Veloso, guia turistico Gilson Lins destaca potencialidades de Alagoas.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

A serviço de JC Turismo/Jerrivan Cavalcante de Elesbão Veloso, guia turistico Gilson Lins destaca potencialidades de Alagoas.

Guia turístico Gilson Lins com turistas de Elesbão Veloso durante o último mês de novembro

Por José Loiola Neto, do Elesbão News

No último mês de novembro/2017 estive visitando parte da área litorânea dos estados de Alagoas e Pernambuco em excursão proporcionada por JC Turismo do primo Jerrivan Cavalcante, que tem deixado sua marca e se destacado ao dá aos elesbonenses a oportunidade de conhecer novos lugares, consequentemente pessoas, costumes, tradições.

Luis Corrêa-PI, Fortaleza, Natal, João Pessoa, Recife, Maceió, Maragogi e Aracaju, são apenas alguns dos roteiros já percorridos por turistas que optaram viajar com JC Turismo. Para 2018, Jerrivan disse que tem muito mais vindo por ai.

A nossa reportagem, Jerrivan confirmou que JC Turismo percorrerá o sétimo Estado no Nordeste-- em agosto, o grupo 1 vai a Salvador-BA, ele disse que se sente imensamente feliz e gratificado por realizar sonhos de pessoas de Elesbão Veloso e de outras cidades próximas que muitos se esforçam, trabalham o ano inteiro e merecem um pouco de lazer e respirar novos ares.
Parceria: Gilson Lins e Jerrivan Cavalcante
Na viagem do grupo-2, o qual faço parte desde 2016, na ida a terras alagoanas em novembro último mantivemos contato com o guia de turismo Gilson Lins, um pernambucano que há algum tempo já se encontra em Maceió.

Ao Painel Popular, Gilson disse que adentrou ao ramo em 2009, em seguida destacou que o Estado de Alagoas tem um potencial muito grande no que se refere ao turismo, principalmente porque o clima ajuda bastante, já que boa parte do ano, é sol. Há essencialmente duas estações-- inverno e verão, sendo que o volume de chuvas registradas é pouco.

- Temos aqui muitas belezas naturais que são as praias. Temos 230km de litoral, de praia, temos também passeio tanto de mar como de rio. Temos o Rio São Francisco que corta parte agreste alagoano.
Gilson Lins
Gilson abordou sobre os dois momentos do ano dedicado ao turismo, as chamadas baixa e alta temporada, sendo que baixa temporada, durante o ano passado, 85% dos hotéis estavam ocupados.

- Podemos dizer que baixa temporada é só o nome. Mas na abertura do verão até o carnaval que é a alta temporada a movimentação aumenta sobremaneira. Temos também o período do São João que dá uma aquecida. Em agosto é baixa temporada, mas tem visitação e tem também o público da melhor idade, que está viajando muito e que completa a baixa temporada.

Uma das praias mais procurada no estado, lembra Gilson é Maragogi, localizada a 130km da capital. O local é conhecido como Caribe brasileiro devido a tonalidade da água e o clima, além disso, grande parte do turista que chega com o desejo de visitar Maragogi, mas existem outras praias mais próximas, como a Praia do Gunga, que fica na cidade de Roteiro, local que abriga uma vasta área de coqueirais em fazendas, que detém a capacidade da grande produção de coco, por meio de arrendamento a empresa Sococo, maior indústria de engarrafamento de coco.

- Temos outras praias: Paripueira, que fica na parte Norte, saindo de Maceió, temos também uma praia sensacional que se chama São Miguel dos Milagres e temos como já havia dito antes Maragogi, sem falar da Praia de Carro Quebrado, que não está tão procurada em relação ao comércio, mas é uma praia muito bonita. Na parte Sul temos a Praia do Francês, Barra de São Miguel, Praia do Gunga e temos Jequié da Praia, onde há um ponto de apoio que se chama Dumas de Marapé, destaque também pra Dumas de Jequiá, e a foz do Rio São Francisco que fica a duas horas de viagem, é um passeio de barco onde vamos encontrar as dunas móveis em Alagoas.

Com relação o setor de hotelaria, ressalta o guia turístico Gilson Lins, Alagoas tem procurado se fortalecer, prova disto é que durante o ano passado foi inaugurado três hotéis de alto padrão com capacidade de 200 pessoas em cada hotel, o que serve para abrir um novo leque no campo hoteleiro, sem falar em novas pousadas que surgem em maior quantidade.

- Para 2018 há previsão de serem inaugurados cinco novos hotéis na capital, fora Maragogi.
Além da parte litorânea, o turista que visita Alagoas pode desfrutar e apreciar a extensa orla marítima, onde existem dezenas de barzinhos, onde os turistas sempre aproveitam os finais de tarde, há também o passeio cultural, o chamado City tour. Gilson lembrou que por fazer parte do Sindicato dos Guias de Turismo de Alagoas facilita uma parceria com a Prefeitura de Maceió para fazer o Jaraguá vivo, noutras palavras, explicar como tudo começou, incluindo a história sobre a embarcação, do porto, a vida boêmia de antigamente.

- Temos alguns museus na capital, o city tour é feito a pé para que possamos explicar um pouco da história de Maceió, que ostenta na sua área central o comércio. No momento temos aqui um projeto do VLT que liga da Estação do Jaraguá até Rio Largo, o passeio inclui a passagem por vários bairros de Maceió, e eu como guia de turismo conto a história desses bairros, que fizeram parte durante o período da colonização. No estado temos Marechal Deodoro, uma cidade colonial tombada pelo patrimônio da Unesco a partir de 2006.

A economia de Alagoas se destaca principalmente no setor sucroalcooleiro através da plantação, colheita e venda da cana de açúcar, já que o estado produz e exporta grande quantidade de açúcar, sendo a China e a Rússia os principais clientes. Além do açúcar, há também o cultivo de coco, em seguida aparece o turismo. Para Gilson, o setor do turismo está em segundo lugar quanto ao fomento econômico, perdendo apenas para a produção da cana de açúcar.

- Esse setor da cana é forte porque além da mão de obra local, há contratações de pessoal de outros estados, contudo isso vai depender do produção da safra, que começa em setembro e tem duração de seis meses, a usina moendo dia e noite, daí vem muita gente de fora para trabalhar na colheita de cana de açúcar. No final da colheita, as pessoas retornam para seus destinos, mas é bom que se diga que muitos alagoanos também saem para trabalhar em outros estados.

Antes de se tornar guia de turismo Gilson foi motorista. Ele conta que tem sido uma experiência agradável a nova função, principalmente por estar mostrando a outras pessoas o estado onde você reside. A opção em ser guia do turismo se deve também a questão de como a maioria dos jovens não saberem o que de fato querer na vida. De família humilde, filho de pai carreteiro e mãe dona do lar, Gilson disse foi atrás de novas profissões até que encontra uma que você se identifica.

- Estou gostando muito de fazer isso. Hoje para ser guia de turismo você precisa fazer um curso técnico de duração de um ano e seis meses, a partir daí você passa a ser um embaixador do estado.

Gilson Lins finalizou fazendo uma referência a Jerrivan Cavalcante, que na sua concepção pelo contato mais constante nos últimos anos, deixa de ser cliente e passa a ser um amigo.

- É um parceiro. Já fiz vários trabalhos com ele, este de 2017 é o quarto e todo turista que está vindo com ele está se encantando. Já são três anos que trabalho com Jerrivan e como ele mesmo diz: JC Turismo, realizando sonhos. MAIS FOTOS





Nenhum comentário:

Postar um comentário