REVISTAS SEMANAIS- Destaques de capa das revistas que estão chegando às bancas e residências dos assinantes nesta segunda-feira, 20 de janeiro 2020

Capa ISTOÉ edição 2.610

VEJA Edição 2.670

Reportagem de capa- Um drama nacional: polarização ideológica brasileira chega ao Oscar
'Democracia em Vertigem', de Petra Costa, ganha holofotes mundiais - e com a narrativa peculiar e irreal do PT. E MAIS..

Entrevista- 'Foi uma experiência deprimente e única', diz diretora do documentário

Polo Sul- Em reportagem especial, o inesgotável arsenal científico da Antártica

Governo- Como Jorge Oliveira se tornou o ministro mais próximo de Bolsonaro

Realeza- Meghan, Harry e Elizabeth: para que o sangue azul no século XXI?
-----------------------------------
ISTOÉ Edição 2.610

Capa- "Impressionante" a queima da educação no Brasil

EDITORIAL

Um capitão de olho no dinheiro e nos votos

Nos últimos tempos, o presidente Bolsonaro veio lançando uma lorota – mais uma – de que precisava, a todo custo, liberar a bolada de R$ 2 bilhões aos partidos, a título de fundo eleitoral, pois, do contrário, caso vetasse a destinação desses recursos, correria o risco de sofrer um impeachment. Nada mais enganoso. O capitão joga para a torcida e faz uso de um recorrente artifício de seu governo, as fake news, para ficar de bem com aliados e apoiadores. O movimento tem razões de ser.

O mandatário vem sendo diariamente pressionado por manifestantes da própria base a ir contra a distribuição de dinheirama eleitoreira. Também a sua turba rechaça as benesses com verba pública.
Acredita ser vergonhoso o esquema. Mas Bolsonaro tem interesse direto nisso. Está em vias de criar a própria sigla, Aliança pelo Brasil. Necessita vitalmente de simpatizantes e dos quadros políticos. Precisa ficar de boa com a casta parlamentar. Em suma, não vai se furtar ao usufruto dessa importante arma para azeitar o sistema e se dar bem. É do jogo. O problema é que ele se faz de rogado. Culpa o Legislativo pela gastança fora de hora. Alega que está encurralado. Adota o jogo de cena. Bolsonaro tem um desafio importante pela frente. A campanha que definirá o novo quadro de poderes municipais pode influenciar diretamente na composição de seu governo. O mandatário quer estender o arco de aliança e de influência para outras camadas da população. Mira a baixa renda e precisa de prefeitos, vereadores e demais políticos locais para alcançar o objetivo.
------------------------------------------
ÉPOCA Edição 1.124

Capa- SÉRIE DE TV INSPIROU ASSASSINOS DOS PAIS DE SUZANE VON RICHTHOFEN

Livro 'Suzane — assassina e manipuladora', do jornalista Ullisses Campbell, revela que irmãos Cravinhos assistiram a duas temporadas de CSI (Crime Scene Investigation) ao planejar morte de casal

Alguns crimes são tão explorados pela mídia que se depreende não haver mais nada a saber sobre eles. Parece, sem dúvida, o caso da morte de Marísia e Manfred von Richthofen, cujos assassinatos foram minuciosamente planejados pela filha do casal, em outubro de 2002. Mas a premissa de que esse enredo está esgotado é desfeita pelo livro Suzane — assassina e manipuladora, do jornalista Ullisses Campbell, que será lançado na próxima semana pela Editora Matrix. Com riqueza de detalhes, o autor introduz o leitor não apenas na mente enigmática de Suzane von Richthofen, num esforço de explicar as razões de crime tão impensável, mas também em seu universo antes e depois do episódio, conferindo ares de ineditismo à transgressão já exaustivamente exibida.

Postar um comentário

0 Comentários