Lavrador Luis Gonzaga, o "Batata da Enedina" fala sobre realização de quarentena após desembarcar de Minas Gerais junto com irmão e sobrinho.


Por José Loiola Neto

Isolamento será complementado nessa segunda-feira(15/6/2020). Batata comenta experiência de 40 dias convivendo com pandemia da Covid-19 em Minas Gerais, chega a citar experiência vivida em Miguelópolis-SP, onde tem um irmão.

Batata, o irmão Zé Luis e o sobrinho Nissin estavam em Delta-MG, situada na microrregião de Uberada, lá junto a um grupo de trabalhadores, parte deles aqui do municípios vinham exercendo atividades ligadas ao setor sucroalcoleiro.

Em entrevista a esse professor/repórter, Batata destacou a rigidez de aulgumas cidades do Brasil no que diz respeito ao combate ao coronavírus.

Lembrou que ao tentar visitar um irmão em Miguelópolis-SP durante o último mês de maio, por não ser da cidade, seu acesso foi impedido por homens que atuam em uma barreira sanitária, tendo como medida evitar a disseminação do vírus causador da Covid-19

O lavrador acredita que maioria das infecções do novo coronavírus em Elesbão Veloso estão sendo contraídas durante viagens a Teresina, epicentro da doença no estado.

Por outro lado, ao tempo em que pediu mais rigor por parte do Comitê de Vigilância Sanitária e Enfrentamento a Covid-19 no que diz respeito a fiscalizações nas barreiras sanitárias, reconhece que falta também apoio da comunidade.



Batata durante cumprimento da quarentena em uma casa no Matias

Zé Luis, irmão do Batata
Nissin, sobrinho do Batata.

Postar um comentário

0 Comentários